Translate

ABRANTES - RELÓGIO DE SOL VERTICAL (I) E (II)

José Manuel d’Oliveira Vieira
(Artigo Autor "Jornal de Alferrarede" Jun/Jul2006)
RELÓGIO DE SOL VERTICAL (I)
Segundo os entendidos na matéria, o “relógio de Sol” surgiu à 3000 a. C.
No nosso Pais, um pouco por todo o lado, existem relógios de Sol.
Abrantes, não é excepção. Em lugar público, mais concretamente na parada General Abel Hipólito, à entrada para o Castelo de Abrantes, há um relógio de Sol de mostrador vertical, a merecer cuidados de conservação (fig. 1).
O restauro deste relógio solar poderá ser, para pais, filhos, professores e alunos, quando se deslocam ao Castelo de Abrantes, uma experiência única. Ficar a saber como funciona tão eficiente medidor do tempo.
Pelo estado em que o mesmo se encontra (degradado) bastará colocar um “gnómon” (ponteiro), no quadrante deste instrumento de medida e o relógio ficará a funcionar.
Limpar todo o conjunto, avivar números e letras com incidência no “Mostrador” e tábua da “Equação do Tempo” poderá marcar a diferença entre os relógios actuais e a quantidade de informações úteis que o “relógio de Sol” poderá proporcionar aos mais jovens.
A colocação de uma vedação em semicírculo, junto ao único relógio que o público conhece em lugar público de Abrantes, ajudará a que o mesmo se mantenha intacto, o lugar se torne mais harmonioso e assim despertar a atenção dos visitantes que se desloquem ao Castelo de Abrantes.
É provável que um ou outro condutor fique irritado se lhe retirarem o “direito adquirido” do estacionamento e sombra para o carro. Mas, entre o derube de uma ou as duas árvores que não existiam no local quando lá foi colocado o “relógio de Sol”, é preferível retirar a ou as árvore (s).
Relógios de Sol existem em paredes de edifícios e fachadas de igreja (verticais), mas também os há em jardins (horizontais), portáteis e inclusive de bolso. Para os utilizarmos há que começar a orientá-los por meio de uma bússola e conhecer a latitude do lugar em que nos encontramos para dar ao “gnómon” a utilização devida.
Os relógios de bolso são inteiramente de madeira, possuem uma bússola e foram muito usados até meados do século passado pelos lavradores e camponeses na Europa. A razão porque eram tão usados pelos lavradores, devia-se ao facto de os relógios mecânicos serem caros e poucos o podiam possuir.
Um desses “relógios de Sol de bolso” (exemplar raro), encontra-se em Abrantes, é propriedade de um familiar e foi cedido para o artigo em questão (fig. 2).

RELÓGIO DE SOL VERTICAL (II)
Já depois de ter saído o Jornal de Alferrarede (Junho de 2006) foi encontrado em Abrantes mais um "Relógio de Sol Vertical”, relíquia que urge preservar.
Esta foi uma descoberta casual, pelo responsável da Biblioteca António Boto e do AHCA (Arquivo Histórico do Concelho de Abrantes), quando passaram no local.
Após a passagem de tão importante informação, logo no dia imediato me desloquei ao responsável pela venda do edifício onde se encontra o referido relógio.
Obtida a devida autorização, foi possível fotografar um dos mais antigos relógios (penso eu), existentes em Abrantes. Situa-se o mesmo na Rua D Miguel de Almeida, onde em tempos foi a “Pensão Santos” (fig. 3).
O belíssimo estado de conservação em que o mesmo se encontra, só é possível devido ao facto de se encontrar em local pouco acessível (fig. 4).
Sobre a propriedade onde o relógio se encontra pode-se dizer: o edifício está à venda e encontra-se degradado. O relógio está localizado e em local privado, por isso, espero não estar a alertar algum predador, coleccionador de antiguidades, mas sim alertar os responsáveis pelo património local de forma a proteger mais esta relíquia, que merece ser conhecida por todos e preservada, em caso de compra ou restauro do edifício.
É provável não haver mais nenhum relógio de Sol na cidade de Abrantes. A existir e que seja do seu conhecimento comente o facto. Nós nos encarregaremos de o catalogar e divulgar.

9 comentários:

Carlota disse...

Isto esta fantastico tu mereces avo sao os votos da Carlota da Matilde do Paulo e claro da tua filha Sonia

TZ disse...

O meu avô também tinha um relógio de bolso muito parecido com o que aparece na Vossa imagem.
Vou tentar localizá-lo e se souber onde se encontra informarei com detalhe.
Cumprimentos

Rosário Miranda disse...

Bom dia!
Andava a fazer na net uma pesquisa sobre relogios de sol de bolso e encontreio o seu blog com um relógio muito idêntico ao que tenho.
Foi o único que consegui encontrar.
Eu sou de Aveiro, e estou curiosa porque é que só encontrei alguma informação sobre estes relógios em Abrantes.
Curiosamente até tenho um familiar em Abrantes (Rossio ao Sul do Tejo).

Tiago Mendonça disse...

Boa noite, eu sou de Mirandela e também tenho um relógio de sol de bolso igual a esse, foi dado pelo meu bisavô ao meu pai, viajou com ele para Angola e regressou. Sem dúvida uma peça muito interessante.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Boa noite
Tenho um relógio de sol de bolso igual a esse. Tem o nome do seu criador José Silva. Nunca lhe dei grande importância, mas depois de ler o seu blog vou conserva-lo melhor.

Fernando Sousa

Anónimo disse...

Também tenho um relógio de sol com bússola,igual ao da foto.
"IS" são as iniciais de João Silva em latim.
"Verdadeiro Autor"
"João da Silva"
Está um relógio destes num museu em Londres, basta fazer uma breve pesquisa na net.
Orgulho Português.
Cumprimentos.
Quim

Nuno disse...

Também tenho um exemplar, só que se vê mal os numeros alguém sabe onde restaurar.

Cump,

nuno patronito disse...

TABEM TENHO UM RELÓGIO DE SOL DESSES DE BOLSO QUE ERA DA MÃE DO MEU PAI TAMBEM COM AS INICIAIS JS E COM BUSSOLA E UM FIO COM UMA BOLINHA DE CHUNBO GOSTARIA DE TER MAIS INFORMAÇÃO SOBRE A DATA DE CONSTRUÇÃO E A HISTÓRIA DO MESMO SFF OBRIGADO

nuno patronito disse...

TABEM TENHO UM RELÓGIO DE SOL DESSES DE BOLSO QUE ERA DA MÃE DO MEU PAI TAMBEM COM AS INICIAIS JS E COM BUSSOLA E UM FIO COM UMA BOLINHA DE CHUNBO GOSTARIA DE TER MAIS INFORMAÇÃO SOBRE A DATA DE CONSTRUÇÃO E A HISTÓRIA DO MESMO SFF OBRIGADO